• Dra. Cintia Vieira

A adaptação, retorno ao trabalho e as orientações da OIT

Atualizado: 16 de Nov de 2020


As recomendações de isolamento e não aglomeração justificadas pela pandemia do Coronavírus, geraram normas restritivas e leis que inclusive impossibilitaram o trabalho presencial habitual de várias empresas.


Com o decurso do tempo, e atualização dessas normas restritivas vários setores estão retomando suas atividades de forma presencial, e aqueles setores que não pararam também tiveram que se “adequar” a este “novo normal”.


Especialmente com relação aos seus empregados, há diversas recomendações de prevenção editadas pelo Governo, sendo que além destas houve a edição pela OIT (Organização Internacional do Trabalho), entidade mundial de referência sobre as relações trabalhistas, quanto as medidas e cuidados nessa retomada da atividade laborativa presencial.

Recomendações da OIT


  • Formação de Equipe para planejar e organizar o retorno ao trabalho;

  • Decidir quando reabrir, quem retornará ao trabalho e de que forma isso será feito;

  • Adotar medidas de engenharia, organizacionais e administrativas de prevenção;

  • Promover a limpeza e desinfecção do ambiente de trabalho de forma regular;

  • Prover/dar meios para higiene pessoal;

  • Fornecer equipamentos de proteção e informar o uso correto;

  • Monitorar a saúde dos funcionários

  • Considerar outros riscos, incluindo o psicossocial;

  • Revisar os planos de preparação de emergência;

  • Revisar e atualizar as medidas preventivas e de controle;


Alguns exemplos


  • A instalação de barreiras físicas

  • Aumento e melhoria da ventilação natural

  • Flexibilização dos horários de trabalho

  • Reforço diário na limpeza e higiene do local de trabalho

  • Entrega de EPI (Equipamentos de Proteção Individual) como máscaras e álcool 70% a todos e até luvas, óculos e vestuários específicos, dependendo das atividades desempenhadas.


Estes EPIs, além de ser indicado a elaboração de um Termo de Entrega, devem vir junto com a parte orientativa inicial e constante, bem como da fiscalização de seus usos corretos.


Sem dúvida, toda adequação ou retomada deve ser avaliada de forma personalizada por cada empresa e consultando especialistas, a fim de não gerar riscos de contaminação e passivos trabalhistas.


Estas avaliações têm o objetivo de averiguar quais as medidas preventivas necessárias a serem implementadas para cada área ou setor, que garantam a preservação da saúde e da segurança de todos os colaboradores.


Escrito por Cintia Vieira